CAIXA DE PESQUISA

INSIRA SEU IDIOMA --- INSERT YOUR LANGUAGE

12 de set de 2018

As dúvidas no Brasil quanto a verdade ou mentiras que os candidatos possam proferir em campanhas são o que causam indecisões ao voto.


Situação do Governo de São Paulo em 5 de junho de 2018; "Assembleia aprova aumento de servidores que vai custar R$ 1 bi em quatro anos"  Isso parece não pensar em um povo que tem mais de 12 milhões de desempregados, mas sim dar a costa a esse. "DEPUTADOS DE SP APROVAM NOVO SALÁRIO; ALTA DEVE SER DE 26,3%." - Isso está deixando o Ex Governador de São Paulo longe da conquista de ser presidente, por não ter pulso forte a defender os aumentos que são contra o povo. O povo não é mais o mesmo de antes, que não percebiam o que faziam contra eles. Dizer que é constitucional (não se importando que quem votou nos mesmos pode estar sobrevivendo com meio a dois salários mínimos, estes não estão perto da "botija"para aumentar seus salários), é a coisa mais simples quando querem pensar em seus bolsos. É como pensar que o povo se acomoda com qualquer percalço. Verdadeiros arrombes contra o povo brasileiro. E a fila desses arrombes pode ficar maior, fica até difícil saber onde começa a comilança. O Brasil precisa de uma política mais enxuta, já que o povo teme em futuras ter que ouvir os mesmos diálogos de promessas. A política brasileira está se tornando uma mesmice na mente do povo. O texto acima vai ao encontro em que as palavras do Vice de Bolsonaro, já que se trata de alguns fatos que tem acontecido que pela constituinte é normal e que muitos se aproveitam essa oportunidade, já que é direito. Direito sim, más ter um pouco de consciência é saudável em nosso país, visto que a discrepância de ganhos salariais é absurda. 


Não aceitar o Brasil com suas diferenças é como “comer ovo e rotar caviar” (ou seja, o povo não pode ser só lembrado na hora do voto e depois descartado).


O texto grifado é verdadeiro, más não procede, segundo Bolsonaro estas palavras citadas não fazem parte de seu plano de governo. O mesmo é contra uma nova constituição. Infelizmente não podemos confiar em palavras e arriscar nosso país em coisas de sonhos impossíveis. Creio que Hadade será um bom Presidente. Visto que a dúvida não é bem quiista para um melhor país que busca novos caminhos.


"Vice de Bolsonaro defende nova Constituição sem Constituinte"  Boas palavras, é isso mesmo que nosso país precisa, uma nova constituição. A melhor proposta de um candidato para um país como o nosso, em que o povo parece longe da constituição vigente. Quando teve a tomada da Bastilha na França, logo em primeiro lugar foi dada ao povo o direito de fazer parte de um Estado com a participação de todos. 
Palavras que vai ao encontro de um discurso em 11/09/1991, (Semler), o qual já foi também parte de exercícios da Fuvest. Antes dele já houve quem olhasse para o povo de modo a terem como  brasileiros participantes de seu país. 



 Segundo o texto:

                                 
                         "Vivemos mais uma grave crise, repetitiva dentro do ciclo de graves crises que ocupa a energia desta nação. A frustração cresce e a desesperança não cede. Empresários empurrados à condição de liderança oficial se reúnem em eventos como este, para lamentar o estado de coisas. O que dizer sem resvalar para o pessimismo, a crítica pungente ou a auto-absolvição?  É da história do mundo que as elites nunca introduziram mudanças que favorecessem a sociedade como um todo. Estaríamos nos enganando se achássemos que estas lideranças empresariais aqui reunidas teriam a motivação para fazer a distribuição de poderes e rendas que uma nação equilibrada precisa ter. Aliás, é ingenuidade imaginar que a vontade de distribuir renda passe pelo empobrecimento da elite. É também ocioso pensar que nós, da tal elite, temos riqueza suficiente para distribuir. Faço sempre, para meu desânimo, a soma do faturamento das nossas mil maiores e melhores empresas, e chego a um número menor do que o faturamento de apenas duas empresas japonesas. Digamos, a Mitsubishi e mais um pouquinho. Sejamos francos. Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo extremamente representativos como população. "  
("Discurso de Semler aos Empresários", FOLHA DE S. PAULO, 11/09/1991)"  



O Brasil precisa sim da participação do povo, e isso não se trata de ideia de esquerda em que alguns questionam quando se trata de colocar o povo no centro da questão. São esses ideais de patriotismo que o país precisa. O povo precisa ser brasileiro por inteiro. 






"Cerca de metade dos trabalhadores ganhava de meio até 2 mínimos" 


Texto escrito em 12/09/2018 
Atualizado em 13/09/2018

                                                                     ---------------- Messias Albino --------------