INSIRA SEU IDIOMA --- INSERT YOUR LANGUAGE

13 de set de 2017

Não Basta só cortar o número de cadeiras de Deputados

Não Basta só cortar o número de cadeiras de Deputados

Boa coisa essa a ser feita, más desde que não sejam prejudicados os partidos nanicos, já que se houvesse corte em salários o que é bem provável que não aconteça. O número de cadeiras de Deputados não é nem tanto prejudicial comparado ao tamanho do Brasil, más a despesa com esses autos salários em que existem em todo território nacional quando se trata de Política no Brasil isso sim pesa no orçamento. Antes já pesava mal o número de pequenas empresas que eram muitas, geravam impostos que cobriam rombos, como equilibrar isso hoje em que após a globalização essas desapareceram como sem deixar rastros. Enquanto os bilionários montam seus robôs em estruturas modernas retirando essas pequenas empresas de circulação e retendo para si vultosos ganhos e a ponto de virar competição acirrada de quem fica mais bilionário que o outro, concentrando a miséria do povo em forma de lucros, países se definham como moribundos precisando de sangue, sim o sangue que as pequenas empresas injetam no mercado interno destes, tanto em impostos, conhecimentos, educação, crescimento da cultura assim como expansão comercial e criatividade, mas enfim, o povo se torna quase que paralisado nesse sentido criar empresas, muitos ainda tentam e até dá certo, más isso não quer dizer que se tem espaço a todos. Quando o Brasil tinha seu mercado ainda não globalizado, podíamos zerar quantas vezes fosse possível nossa moeda e começar novamente do marco zero assim como aconteceu em vários governos passados, onde o governo fazia a conversão da moeda em pacotes econômicos, era o meio em que saiamos de crises que até aqueles dias eram crises internas e não como hoje globalizadas. 
A questão em si é, como será o futuro de nações como o Brasil se não começar a estancar as bicas de gastos desnecessários com pagamentos desleais enquanto que com um salário mínimo um pobre sobrevive, há ele não estudou, ele não fez por si, ele não correu atrás, pensar assim é como que colocar esse povo que assim vive como escória (isso se houver alguém que pense assim, o que não é difícil, pensando já no termo preconceituoso.), esses são aqueles que de muitos vivem a margem da sociedade procurando onde se apegar, os mesmos que também em muitas vezes tentam abrir micro negócios, pois tem também inteligências, só não tem oportunidade, menos agora e muito outro que nessa balança de equilíbrio desce nas profundezas desce calabouço que é a falência sem mesmo ter começado a desenvolver seu empreendimento, falência do pensar em abrir seu negócio, pois visa a quebra sem antes ter começado, como incentivar esses que tem talento, criatividade, autoconhecimento, gana de prosperar dar emprego, pessoas que muitas das vezes não pensam nem em si própria, mas nos outros como pessoas que através dos mesmos irão levar para casa o prato de comida/alimentar suas famílias, ainda no dia quatorze de novembro de dois mil e dezesseis, em um jornal de televisão em entrevista um pequeno empresário de indústria têxteis dizia: "não tenho como pagar o décimo terceiro de meus funcionários (dezenove funcionários), más se até lá não  eu não tiver receita para esse fim recorrerei a empréstimos porque eles me serviram todo o ano e não é justo que não os pague.
“Uma senhora doceira que” dizia sobre sua receita: "ainda não tenho dinheiro para pagar minha funcionária, más se a receita não aumentar irei pegar dinheiro emprestado e pagar o décimo terceiro dela." Percebe-se assim o cuidado em que essas pessoas têm com o próximo, o prazer de saber que alguém depende dela e ela esta suprindo ou ajudando a suprir sua mesa, pessoas que mais se preocupam com o colocar do alimento na mesa do próximo que às vezes deixamos a pensar que o prazer das mesmas é essa como missão de empresário acima do lucro e mais com o bem estar do próximo. Se perguntarmos para empresários ou fizer entrevistas com os mesmos, perceberemos que nem todos eles visam primeiro seu bem estar, más sim de seus funcionários, frisando que existe exceção, ou seja, poucos em que não tem esse prazer de saber que de sua mão muitos levam o sustento para casa é uma  cadeia de colaboradores, uma cadeia que tem que ser revitalizada, não pode parar, tem que ser tratada, medicada e melhor ainda replantada, regada, cuidada e sempre adubada para que floresça cada vez mais porque quando um país cuida de seus pobres esses  crescem más quando assim não acontece ele simplesmente é conservado e vêm os tempos em que precisa estar firme e forte para que sobreviva a tempos tempestuosos e se prevalecer mais revigorado. 
É preciso assim o Brasil olhar o mundo de frente pensando-nos que fazem desta nação uma lavoura que há seu tempo colhem os frutos e os que plantam (os trabalhadores, pequenos e médios empresários) as migalhas, os políticos brasileiros deveriam aprender com esses empresários que pensam o como melhorar no sentido de os que o servem ter dignidade de se sentir útil e esperançoso no dia do amanhã, o qual desse pouco faz o muito de outros.
O Brasil precisa continuar suas pesquisas, assim como tem feito e mais, investir em pesquisas em pequenas empresas por parte do governo, recriar um novo país, passar a reprimir as corrupções com mais afinco, ter de volta um pouco da dignidade que ao longo de seu tempo deixou de alcançar, pois quanto se tem perdido para corrupções, quanto se deixaram de aplicar nesses longos tempos de Brasil, quanto se perdeu, quanto esse povo deixou de sonhos inacabados, outros que desceram a sepultura falidos derrotados sem esperanças para seu ente queridos, pois perderam tudo que tinham quantos foram parar nas ruas.
As leis fortes fortificam não só o país, mas uma nação inteira é o que não temos. Creio que se não tivéssemos tanta corrupção teríamos leis que ajudariam o país no sentido de acabar com tantos crimes acometidos no dia a dia nas vilas, nos bairros, nas cidades e até dentro/entre grandes corporações. O que da o entender é que enquanto estivermos mergulhados em um antro de corrupção não poderemos ter a esperança de que as leis (que escritas/legisladas) salvem nosso país e traga prosperidade em todos os sentidos a nação.
Escrito em 16/11/2016
Atualizado em 25/09/2017
     
                                                                    -------------- Messias Albino-------------

Apostilas clique aqui


A BASE DE UMA NAÇÃO É A EDUCAÇÃO.

UM PAÍS QUE VALORIZA SEUS PROFESSORES ESSE VALORIZA SUA CULTURA, POIS A BASE DE UMA NAÇÃO É A EDUCAÇÃO.
Ser professor não é apenas o pensar ser e simplesmente ir dar aula. Não é como pensar em qualquer profissional o qual se prepara e vai a luta, ao contrário, ser professor é deixar o pensamento de riqueza de lado desprezando assim esse intento e buscando a felicidade de muitos os quais por si poderão alcançar. O professor é como um voluntário, mas um voluntário o qual tem sim seu ganho, mas esse ganho por mais alto que seja, não cobre o que esse profissional enfrenta no dia-a-dia. Quando falamos em professor, não falamos somente no mestre o qual assim se falou por muito tempo, isso no Brasil, falamos no profissional que vai ter de frente uma criança, um jovem ou um adolescente o qual terá que respeitar mesmo que o consuma dia a dia seu inesgotável senso de humor, pois esse capacitado para tal jamais terá surtos por indesejáveis assuntos que podem fugir de seu controle. Percebemos então que esses profissionais estão à disposição do momento, sim, pois nunca se sabe o que encontrará pela frente, um aluno que sofre em seu lar e isso o leva descontar na escola, ou outros problemas que assim leva-os a ter comportamentos estranhos dentro do anseio social, mas esses profissionais estão lá e pensa somente algo: eu já fui criança, adolescente, jovem e outros me suportaram; Como não suportarei o que suportaram de mim. Mais uma vez percebemos o quanto suporta um professor visto assim como uma parte da convivência entre sociedade. Esse muitas vezes tem certas particularidades de um psicólogo entre outros que se dá em papel até de certos conselheiros. Esse papel é um papel muito importante, pois o professor tem que ser treinado com perfeição para que assim seja em seu funcionamento diário. O aluno nas mãos do professor é como uma joia que pode valer mais além de seu valor desde que esse bem instruído. Esse profissional vê um aluno e logo pensa em seu filho ou filha, seu futuro pela frente, como ajuda-lo e esse ter um lugar ao sol. É uma honra para um professor quando um de seus ex-alunos aparece em um programa sendo esse por motivo de vitória ou mesmo em questões profissionais os quais vitoriosos, ou mesmo quando esse aparece socialmente com grande nome dentro da sociedade. Mesmo que sua situação não esteja muito boa, esse gesto o faz ver e perceber que fez algo bom em sua vida. Esse profissional trabalha no sentido de criar soluções para outros ou ajudar a esse criar soluções para si mesmo. Um profissional que se desdobra dentro de uma sala de aula a fim de entender muitas vezes o impossível, digo assim, pois ainda que o aluno não esteja em tempo apropriado a querer estudar e aprender o que tem que aprender esse tem a esperança de que o aluno vai superar e alcançar objetivos. Certo que assim como também já fomos crianças, adolescentes e jovens um dia temos assim que entender que não é por força nem por marra que alguém vai aprender algo, mas o professor ignora essa parte e com sua calma tenta focar em suas esperanças que aquele aluno vai superar. Dá para imaginarmos o quanto um professor vibra por ver algo de desenvolvimento no aluno quando assim demonstra falta de algo que o coloca longe do aprender. Poderíamos falar muito sobre esse profissional, mas o intuito é, onde se pensa no professor no Brasil. Como esse pode fazer pelo menos o mínimo aqui citado. Qual é o nível de prazer em sua profissão e como esse pode encarar os fatos e desafetos que tem que levar para casa guardada dentro de si presa em um sentimento de perca por não poder fazer nada. Talvez que assim determina o tempo e esse tempo o professor espera, tempo de fechar feridas e com calma a fim de formar cidadãos. É uma honra para uma escola inteira o dia de formatura seja, intermediários como infantil, fundamental, médio entre outros. Para esses profissionais esse dia é lindo, um dia de gloria. Poderia ser melhor e assim também a educação só teria a ganhar cada vez mais. Mas felizmente os professores olham com um olhar diferenciado para seus alunos os quais com olhos de compaixão e ternura. Será que esse mesmo olhar é dispensado ao mesmo pelo Estado? Texto escrito em maio de 2016 ----------- ------- ------ ---------- Messias Albino ---------

O BRASIL PERDE MUITO SEM HISTÓRIA E GEOGRAFIA.

"O BRASIL PERDE MUITO SOBRE SEU PASSADO EM DIZER QUE PODEMOS TER AS ESCOLAS PÚBLICAS POR SINAL, SEM OS ESTUDOS DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA." "(Sendo essas matérias opcionais)" Como que, alunos que tem interesse em áreas complexas em vestibulares poderão concorrer com outros por estes ter estudado em escolas particulares, já que, esses não abrirão mão de um ensino completo. Parece que no Brasil existe um vício em lutas internas contra o desenvolvimento de seu próprio povo, uma mão misteriosa não como a de Adam Smith que para o bem do desenvolvimento em todas as áreas, mas como uma mão misteriosa contra certa população que parece assim ser subjugada como força de trabalho serviçal a qual não pode ser livre no sentido intelectual, no que dá a parecer essa população ter que somente pertencer à força serviçal e nada mais. Quando a população cresce essa se funde, vai-se, fundindo todas as classes internas e se o intelectual é menosprezado, logo o empobrecimento da mesma aumenta, já que essa fusão, não pôde ser acompanhada, puxando assim uma apatia de conhecimento intelectual e consequentemente um povo que sem um dia o não despertar de o querer conhecer sua identidade e apenas ser subjugado. É difícil entender que quando o Brasil começa a ter sua população mais pobre com acesso ao ensino acadêmico, começa também a decadência de os alunos das escolas públicas correr o risco de não terem as disciplinas de história e geografia, a história no currículo escolar. Para os alunos pode até ser uma boa, pois estão tendo a possibilidade de estudar matérias que talvez não vá usar os conteúdos no futuro, más por outro lado, por que esses alunos não podem conhecer sua história; talvez porque ideias sobre novas descobertas historiográficas, as micros histórias em que eleva o conhecimento em sala de aula e contam as mesmas como que se tem que contar sobre o rico conhecimento dessas matérias, assim como novos pesquisadores entraram em ação trazendo as verdades em histórica e geografia brasileira a qual antes contada de um jeito a agradar gregos e troianos ou a história e geografia não tem tanta importância como ensino, assim como conhecer nossa história ou nossa identidade não significa nada. Porque muito dos alunos de escolas públicas tem que engolir esse engodo por assim não saberem o que se passa com essas mudanças, já que é primordial conhecer a história e geografia da terra em que se vive, assim conhecendo também as diferenças e pluralidades de sua nação. A quem interessa essas mudanças, será que nesse país sempre por algum motivo os mais pobres não podem ter conhecimento ou mesmo crescer, não podem ser cidadão e sempre que algo os ajuda logo tem as imposições para que esses não se desponte o que se dá também em um país arcaico em que o coronelismo social ainda mantém com grandes correntes, correntes que tentam amarrar o conhecimento os deixando privados não só a nação do crescimento cultural quanto econômico. Porque os menos privilegiados no Brasil sempre estão na berlinda, isso nos mostra um país digno de ser considerado abaixo do terceiro mundo em que certas atitudes dentro do mesmo sempre estão pisando na cabeça de outros, pisando assim na nação para que não saia desse patamar Terceiro Mundo. Texto escrito em 12/03/2017 - Atualizado em 17/03/2017 - Atualizado em 23/08/2018 --------------Messias Albino-------------- Apostilas clique aqui ---------------------------------- Concursos abertos, em andamentos ou a, abrir. Clique aqui